Mobilização do FES reivindica data-base e manutenção de direitos

O Fórum das Entidades Sindicais (FES) promoveu na manhã de hoje, 28 de outubro, dia do Servidor Público, um ato para exigir do governo do Estado respostas às reivindicações das categorias do funcionalismo público estadual.

Durante toda a manhã, servidoras e servidores da Capital e dos municípios do interior do Paraná exibiram faixas e cartazes manifestando sua contrariedade a projetos, decretos e atitudes do governo Ratinho Jr. que precarizam os serviços públicos.

O FES também havia protocolado ofício direcionado ao governador pedindo uma reunião para tratar dos temas, mas até o momento o pedido não foi atendido. Dentre as pautas das várias categorias de servidores está o pagamento da data-base de acordo com o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) referente ao período de maio de 2019 a abril de 2020 e os valores ainda não pagos dos anos de 2017, 2018 e 2019.

No ofício, representantes do FES lembram ao governador que “os(as) servidores(as) passam por momentos difíceis e complexos, resultando em adoecimentos, estresse e ansiedade em tempos de pandemia, além de descaso por parte da Perícia Médica”. No texto, a coordenação do FES pede um debate sobre os “diversos procedimentos referentes à pandemia da Covid19 assim como aplicabilidade de seus recursos destinados ao combate da doença”.

Um tema urgente levado ao governador por meio do ofício se refere a um protocolo do governo

para a Assembleia Legislativa sobre emenda que congela a promoção e progressão de diversas carreiras dos(as) servidores(as), solicitando a retirada dessa proposta.

Além disso, o FES pede respeito ao piso regional e o pagamento dos atrasados desde janeiro de 2020, a revogação da Lei 20.199/2020 para manter os direitos de carreira e aberturas de concursos públicos e uma nova proposta para atendimento do SAS.

Sobre a previdência dos servidores/as o FES reivindica a inclusão de seus representantes no grupo do governo que está debatendo a regulamentação da previdência complementar e o novo plano de custeio.

Para que tudo isso seja debatido de forma democrática, o FES também exige o fim das práticas antissindicais com a revogação do Decreto 3808/2020, a manutenção dos salários, liberações e autonomia do trabalho sindical.

Confira alguns registros da manifestação